12 de jul de 2013

ROCK N'ROLL, NÓS TE SAUDAMOS!


Por Victor Matheus

“Estamos falando sobre o futuro, se esqueça do passado, ele sempre estará conosco, ele nunca morrerá, nunca morrerá, Rock n' roll não é poluição sonora, Rock n' roll nunca morrerá...” - ACDC

Neste sábado, 13 de julho, celebramos mais um dia mundial do rock, mas afinal, o que é o rock n' roll? Um gênero musical senil que tornou-se hoje apenas um borrão daquilo que já foi no passado? Camisetas pretas com estampa de bandas coloridas que vestem metade dos jovens com síndrome de buyling? Festivais de rock mercenários que cobram entradas absurdas com programação a quém daquilo que realmente deveria ser pelos valores dos tickets? Ou tudo isso junto e misturado? Talvez sim, talvez não, mas para mim rock n'roll é apenas rock n'roll.

Descobri ao longo da vida que não somos nós que escolhemos o rock n'roll como identidade, estilo de vida, gosto musical e afins, mas é Ele que nos escolhe, Ele que nos recruta, Ele que nos consagra, Ele que nos revela todas as verdades ocultas desse universo, através de dezenas de vertentes na qual ele evoluiu... Tal qual uma religião ou exercito, somos arrebatados por Ele, e recebemos do próprio o Graal sagrado de propagar adiante a sua mensagem, através de riffs, solos, letras, shows, festivais, filmes, livros, e zas e zas e zas, até que todo ser pensante que caminha neste universo possa ouví-lo e compreender que mais que um estilo musical, o rock n'roll é uma entidade sagrada, abstrata, transmutável e transcendente, capaz de mudar o mundo, se não por um todo, ainda assim o mundo de muitos, inclusive o meu, e quem sabe o seu também.

Foi através do rock n'roll que eu me encontrei nessa vida, compreendi o porque de estar nesse planeta, e por que, mesmo chegando a quase três décadas de existência, ainda sinto uma vontade juvenil, embebida de testosterona, de bater cabeça e banguear ao som de Black Sabbath, Led Zeppelin, ACDC, Guns N'Roses, Hendrix e Chuck Berry, empunhar um guitarra, criar riffs legais e sair tocando por aí... Foi o rock n'roll que me tirou da zona de conforto, que me deu coragem de enfrentar meus medos, de superar meus desafios, e alimentar meus sonhos de infância e adolescência... Foi o rock n'roll que mostrou para mim que apesar da montanha ser alta, não devemos temê-la e seguir em frente, não importa o que aconteça... Foi por intermédio do rock n'roll que conheci o grande amor da minha vida, com quem hoje estou casado, a mãe da minha filha... Foi o rock n'roll que me trouxe até onde estou hoje, e se devo agradecer a algo ou alguém, além dos meus pais, eu agradeço ao rock n'roll por tudo de bom e ruim que sou hoje e as perspectivas do que posso me tornar no futuro!

Minha religião é a VIDA, o universo, e tudo que dele faz parte, portanto, meu remédio antimonotonia, meu antidepressivo, meu vício e minha liberdade encontro no rock n'roll... Com ele eu transcendo a matéria, encontro o divino, e celebro o direito de ser quem eu sou, sem precisar me esconder de ninguém... Quando estou ouvindo rock, ou mesmo em cima do palco fazendo um show, eu me sinto em um estado único de luz, de pensamento, de liberdade, onde o que importa é apenas o som, e minha comunhão com Ele, por isso eu e milhares de rockers mundo afora saudamos neste dia 13 o rock n'roll, pois certo está o ACDC: “Rock 'n' roll ain't noise pollution, Rock 'n' roll ain't gonna die, Rock 'n' roll ain't noise pollution, Rock 'n' roll it will survive”.

*Artigo Originalmente publicado na Coluna Opinião
do jornal Folha de Boa Vista de 12 de julho de 2013.

Nenhum comentário: