2 de fev de 2016

COLUNA RORAIMAROCKNROLL - ANO 5 - 34ª EDIÇÃO

Nesta Edição: Lucas Fontinelle, Jamrock, Sérgio Barros, Tepequem Internacional Jazz Festival, Míssil Javali, Ben Charles, Cássio Freitas, Isah Carvalho, Day Ventura, Bluts, Trupe De Marte, Dória, Maurício Baia, Queen.
ABRE A CONTA
Bom dia rocker! Fevereiro é mês de carnaval, de bundalelê e otras cositas más, pero aqui, o nosso negócio é o rock n’roll! A primeira edição de feveireiro da coluna mais rocker do jornalismo roraimense vem com dna amazônico. Confira o papo reto com o vocalista e músico Lucas Fontinelle, uma das vozes mais marcantes da música de Roraima. Confira também nossa dica de literatura, um rocklist matador e old school com o mestre Ben Charles, nossa agenda cultural, os próximos passos da banda Jamrock que exporta nosso som direto pro Rio de Janeiro e nossa trip pelas redes sociais contando e compartilhando os últimos acontecimentos do rock roraimense. Fevereiro já começalindo e cheio de novidades sobre o rock macuxi, e nosso leitor fica sabendo primeiro aqui, no espaço rock do nosso jornal. Seja bem vindo à coluna Roraimarocknroll, porque a história do rock você lê primeiro aqui! Boa Leitura, e ótima terça-feira! Let’s go! - Victor Matheus. 
________________________________________________________________________

PAPO RETO 
*Créditos: Rodney Oliveira
O músico e compositor Lucas Fontinelle, 
responde a três perguntas do Papo Reto da nossa coluna: 

Sua carreira musical começou ainda na adolescência com a banda Papa Velhas. Que lembranças você guarda desse período embrionário do rock roraimense? 

Era um período em que não havia muitos lugares pra tocar. No entanto, quando a Papa Velhas iniciou tocávamos as quintas ou sextas-feiras na cantina da escola e no auditório também. O que dava muito cartaz pra gente. Era algo diferente. Tínhamos carisma e fazíamos frente a grandes bandas locais como Garden e Mr. Jungle. Pra quem tá começando hoje é melhor, mas falta a pegada de antes. 

Como você analisa o mercado da música em Roraima nos dias de hoje? Quais os maiores desafios? 

O desafio é ganhar o público tocando coisas que normalmente o público não tem costume de ouvir. Quero dizer que existem gêneros favoritos da galera, como o sertanejo por exemplo. O artista não deve se opor a nada, no entanto deve ter seus critérios e não tocar qualquer coisa que pedem. Questão de qualidade. Toco durante o dia no Supermercado Alencar Vip e vejo um público diverso. Crianças, famílias e até o publico Latino americano. Coisas novas aparecendo. Quanto às bandas de rock acho que devem diversificar mais, buscar esse público afim de boa música. Não se acomodarem 

Quem salva o rock no Brasil hoje? 

Os medalhões salvam, com certeza Rita Lee, Erasmo Carlos. O pessoal dos oitenta como Titãs, Leoni. A Pitty é demais. Particularmente acho o Nando Reis muito bom. O negócio é que no Brasil tudo vira MPB quando tem uma qualidade maior. Mas tem coisa muito boa. 
________________________________________________________________________

JAMROCK 
*Créditos: facebook/bandajamrock
A banda Jamrock foi selecionada para a primeira etapa da audição do programa SUPERSTAR da rede Globo. Os jambas embarcaram neste sábado ao RJ levando na bagagem o som de Roraima. Para ajudar nos custos da viagem a banda está vendendo camisas da banda. Interessados em adquirir é só ligar para 98113-6866. A coluna deseja sucesso a Jamrock! 
________________________________________________________________________

TEPEQUÉM JAZZ E BLUES FESTIVAL 
SÉRGIO BARROS TRIO confirmado no Festival
Neste sábado e domingo, 6 e 7 de fevereiro, o PLATÔ2112 realiza o III TEPEQUÉM INTERNACIONAL JAZZ & BLUES FESTIVAL, na Serra do Tepequém. Este ano o festival contará com shows das bandas venezuelas Bolivar Blues, Blues del Sur, Orinoco Quartet, a banda amazonense Fortune, e as bandas roraimense Victor Pium & Caxiri Atômico, Sérgio Barros Trio e Regiojazz. A arte do festival este ano leva uma obra plástica do Mestre Paulo Artal. Bora lá? #plato2112 #tepequémfestival 
________________________________________________________________________

MOMENTO POLAROID 
*Créditos: Dymerson Andrade 
Pelas lentes de Dymerson Andrade, a história do rock roraimense é contada... O registro é da banda Míssil Javali no evento SUP PRAIA SOM, promovido pelo Clã Cultural Makunaima dia 16 de janeiro de 2016 na Praia do Caçari... Uma bela imagem digna de polaroid! #polaroid #missiljavali
________________________________________________________________________

ROCK LIST 
*Créditos: Ed Andrade Jr. 
O músico e compositor amazônico Ben Charles, 
escolhe cinco músicas essenciais na sua #RockList. Confira: 

1. Little wing (Jimi Hendrix) 
2. Time wait for no one (Rolling Stones) 
3. Cowboy song (Thin lizzy) 
4. Taxi man (Beatles) 
5. No quarter (Led Zeppelin) 
________________________________________________________________________

INSTAROCK
A semana do rock roraimense no Instagram. 

#CássioFreitas 
Siga @ cassiofreitas2 

#IsahCarvalho 
Siga @ isahrocks 

#DayVentura 
Siga @ dayventura_ 

Siga o Instagram do Blog Roraimarocknroll @roraimarock 
________________________________________________________________________

RORAIMAROCK INDICA
Confira os perfis e páginas que você deve acompanhar nas redes sociais 

#Dória 

#Baia 
________________________________________________________________________

LIVRO
*Créditos: Seoman
A VERDADEIRA HISTÓRIA DO QUEEN (Mark Blake) - O saudoso Freddie Mercury morreu há 24 anos, mas não dá para negar que o Queen é musicalmente mais in? uente hoje do que na época em que o cantor era vivo. Quem prestou atenção nos recentes discos solo de Brandon Flowers (The Killers) e Nate Ruess (fun.) nota que eles se apropriaram de ideias, timbres e melodias dos ingleses. No último mês de setembro, o Queen, reformado com Adam Lambert no lugar de Mercury, chamou atenção com a apresentação no Rock in Rio. Assim, esse livro se torna obrigatório para quem gostava do quarteto em seus tempos de glória ou então redescobriu a banda em dias recentes. A Verdadeira História do Queen é didático e dá dicas sobre a mística por trás da banda. Em quase 500 páginas, o autor tenta explicar por que o apelo do grupo não se apaga. Ele também repassa toda a trajetória do quarteto e fala de trunfos óbvios, como a canção “Bohemian Rhapsody” (1975) e o show no Live Aid (1985). (por Paulo Cavalcanti) 
________________________________________________________________________ 

FECHA A CONTA
Para se manter informado sobre tudo que acontece no rock roraimense 
Acesse o blog da coluna, no www.roraimarocknroll.blogspot.com
Siga-nos no twitter @roraimarock 
Curta nossa página no facebook/blogroraimarocknroll
Participe da coluna com sugestões através do e-mail roraimarock@gmail.com 

PUBLICAÇÃO 
JORNAL FOLHA DE BOA VISTA | CADERNO B 
COLUNA RORAIMAROCKNROLL | ANO 5 
34º EDIÇÃO | 02/02/16

Nenhum comentário: