31 de mai de 2016

COLUNA RORAIMAROCKNROLL - ANO 5 – 49ª EDIÇÃO

Nesta Edição: Zé Cardoso, Becker, Virada Solidária, Rocknbeats, Garden, Bruno Schetine, Saulo Oliveira, Maglore, Felipe Dennis, Biosong, Dr. Yoko, Iron Maiden

ABRE A CONTA
Bom dia rocker! A vida é uma eterna montanha russa de ciclos, altos e baixos, conquistas e novos desafios... Ao longo de 5 anos de história, nossa coluna sempre buscou ficar cada vez mais próxima do nosso leitor e divulgar de uma maneira leve e abrangente, o que há de melhor no rock do Extremo Norte do Brasil. Em 5 anos de história, fizemos muito pelo rock roraimense em termos de divulgação e apoio, e esse sentimento de amor pelo rock e nosso trabalho, nos move e nos inspira a seguir em frente. Encerramos nesta edição mais um ciclo, mais um ano de trabalho e muita felicidade em compartilhar a história do rock, escrita semanalmente neste espaço. Na próxima edição iniciamos um novo ciclo, para contar novas histórias, e continuar compartilhando o que há de melhor na cultura rocker amazônica. Vem aí muitas novidades, novas pautas, outras do passado e muito divertidas retornando, e a expectativa sempre positiva que o rock roraimense ainda tem muito que mostrar para o mundo. Quero registrar minha gratidão ao Jornal Folha por acreditar sempre no nosso trabalho, especialmente a todos os colegas de redação que muito me ensinam sobre o universo do jornalismo. Somos eternos aprendizes e sabemos que a humildade e o reconhecimento são fundamentais para o nosso crescimento pessoal e profissional... Então vamos embarcar nessa trip, e degustar a última edição do ano 5 da coluna mais rocker de BV, conferindo um papo reto com o guitarrista e vocalista amazonense Zé Cardoso, nossa dica literária, e nossa trip pelas redes sociais.... Seja bem vindo à coluna Roraimarocknroll, porque a história do rock você lê primeiro aqui! Boa Leitura, inspirada semana, e ótima terça-feira! Let’s go! - Victor Matheus. 
________________________________________________________________________

PAPO RETO 
*Créditos: Estúdio SP
O guitarrista e vocalista amazonense Zé Cardoso, da banda Alderia, 
responde a quatro perguntas do Papo Reto da nossa coluna. Confira: 

Você já fez parte de várias bandas da cena rock amazonense, e realizou diversas turnês pelo norte e sudeste do Brasil. O rock do norte tem espaço no cenário independente brasileiro? 

Eu percebo que ao longo dos últimos 10 anos, quando pude conhecer de perto o surgimento de várias bandas e artistas aqui no Norte, cada vez mais temos ganhado espaço na cena autoral brasileira. Tive a chance de viver durante 6 meses - até o início desse ano em São Paulo - e conhecer o artistas do Norte que lá estão e posso dizer que o trabalho que tem sido desenvolvido aqui e lá é cada vez mais consistente e hoje temos realmente bandas e artistas apontados como novos nomes da música brasileira. Acredito que o espaço está sendo cavado bravamente, ainda que de maneira (infelizmente) isolada. Os artistas entenderam a necessidade da profissionalização e isso tem mudado paulatinamente o status quo de isolamento de nossa região. Pra mim, é apenas uma questão de tempo pra vermos uma enxurrada da música nortista invadindo o resto do Brasil. 

O Amazonas tem grandes nomes no rock que podem alcançar grande sucesso nacional e internacional. Como artista, quais os desafios de fazer música na Amazônia que não flerte exclusivamente com o regionalismo amazônico? 

Acho que o fato de fazer música que não tenha como influencia unicamente o regionalismo tem a ver com as próprias influências do artista e a sua relação com a música. Conheço bandas extremamente competentes como Alaide Negão e Casa de Caba que se propõem a fazer música regional com a personalidade deles. Acho isso ótimo, trazem uma grande novidade musical, e também vivemos a era das micro-realidades. Os ditos "curadores" da música brasileira tem tido um tendência em valorizar essas micro-realidades, que muitas vezes são confundidas com o regionalismo. Acho que o maior desafio pra ultrapassar esse limite de sonoridade tem a ver com a própria coragem dos artistas em não se limitar a fazer algo que já está estabelecido, aglutinar suas influências e adicionar a sua subjetividade, deixando que a música exista por ela mesma e não precise ser pré-determinada pela sua localização geográfica ou contexto musical histórico. Quanto mais artistas tiverem essa coragem, mais rica será a "cena musical" e melhor será pra difusão da musica nacional e internacionalmente. 

Você está com um novo projeto musical,... Conte-nos mais sobre esta novidade... O que podemos esperar de Zé Cardoso em 2016? 

Sim, minha nova banda é a Alderia. Já estamos em estúdio gravando nosso primeiro EP, que terá 7 faixas e se chamará "Banho", e sairá no início de Julho. Depois disso, pretendemos sair pelo Norte e posteriormente pelo resto do país divulgando o novo trabalho. Estamos também articulando com diversas bandas e artistas de outros estados para trazê-las para Manaus e ajudar no intercâmbio da música amazonense com a do resto do país. Com certeza muita música é que podem esperar de mim em 2016 e pelo resto dos meus dias. (risos) 

Quem salva o rock no Brasil hoje? 

Eu gosto de muita coisa que vem acontecendo no país ultimamente, pra ser sincero. Muita música com personalidade tem sido feito por aqui, especialmente na música alternativa. Pelo Norte, gosto muito dos amigos da Luneta Mágica, do Strobo e da Kali. Do resto do país, adorei conhecer e ouvir os parceiros do Ventre, Bratislava, Baleia e Holger. Das bandas um pouco mais estabelecidas, acho que o Terno e o Maglore conseguem unir os idealismos da música autoral underground e o formato de canção pop que atinge uma grande quantidade de pessoas. 
________________________________________________________________________

VIRADA SOLIDÁRIA 
*Créditos: Instagram/Becker
Acontece dia 01 de junho, na Ícone Club a Virada Solidária Amigos da Lelê, em prol do tratamento da bonequinha de cristal Lelê. Serão 12 horas de muita música com diversas atrações de estilos variados, e o rock também marca presença com os shows das bandas Azziz, Carta Pedrada e Becker. Vamos somar nessa corrente do bem? #solidariedade #lelê 
________________________________________________________________________

PUBLICIDADE

________________________________________________________________________

ROCKNBEATS 
*Créditos: Rocknbeats Boa Vista
A 2ª Edição da Rocknbeats Boa Vista já tem data confirmada: 24 de junho, com a noite Especial Férias em Las Vegas no Jack Lounge! A festa é sucesso em mais de 60 cidades pelo Brasil, sucesso também em Roraima e conta com apoio do Blog Roraimarockrnoll. Saiba mais sobre a RocknBeats no www.facebook.com/Rocknbeats-Boa-Vista e concorra a entradas vips. Garanta já seu ingresso! #rocknbeats
________________________________________________________________________

MOMENTO POLAROID 
Pelas lentes do Sesc Roraima, a história do rock roraimense é contada... O Registro é do baixista Neto Baraúna, da banda Garden, no Roraima Sesc Fest Rock 2013, realizado na área externa do Sesc Mecejana... Uma bela imagem digna de polaroid! #festrock #polaroid 
________________________________________________________________________

ROCKLIST 
*Créditos: Victor Pium 
O baixista Bruno Schetine, 
escolhe cinco músicas essenciais na sua #RockList, Confira: 

1. Money (Pink Floyd) 
2. Shine on your crazy diamond (Pink Floyd) 
3. Shoot to trill (AC/DC) 
4. It's a long way to top (AC/DC) 
5. Even flow (pearl jam) 
________________________________________________________________________

INSTAROCK 
A semana do rock roraimense no Instagram

#Saulo_Oliveira 
Siga @saulo_oliveira

#Maglore 
Siga @magloreoficial 

#Felipe_Dennis 
Siga @felipedennis 

Siga o Instagram do Blog Roraimarocknroll @roraimarock 
________________________________________________________________________

RORAIMAROCK INDICA 
Confira os perfis e páginas que você deve acompanhar nas redes sociais 

#Biosong 

#Dr. Yoko 

________________________________________________________________________

LIVRO 
*Créditos: Generale
IRON MAIDEN – RUN TO THE HILLS (MICK WALL)
Lançada originalmente em 2004, esta biografia teve a autorização dos integrantes do Maiden – a introdução, inclusive, foi escrita pelo baixista e líder, Steve Harris. Mick Wall, o biógrafo do rock pesado por excelência, executa o esperado bom trabalho de sempre. As investigações dele sobre o começo da banda e os detalhes de como o Maiden revolucionou o rock pesado inglês a partir do início da década de 1980 já seriam suficientes para recomendar a obra. Mas, de certa forma, esta é a história de Harris e de como ele, com imaginação e mão de ferro, vem mantendo a banda no primeiro escalão do rock. O inconveniente é que o livro não foi atualizado. (por Paulo Cavalcanti) 
________________________________________________________________________

FECHA A CONTA
Para se manter informado sobre tudo que acontece no rock roraimense 
Acesse o blog da coluna, no www.roraimarocknroll.blogspot.com
Siga-nos no twitter @roraimarock 
Curta nossa página no facebook/blogroraimarocknroll
Participe da coluna com sugestões através do e-mail roraimarock@gmail.com 

PUBLICAÇÃO 
JORNAL FOLHA DE BOA VISTA | CADERNO B 
COLUNA RORAIMAROCKNROLL | ANO 5 
49ª EDIÇÃO | 31/05/16

Nenhum comentário: